domingo, 6 de agosto de 2017

Terna é a noite

Terna é a noite escura
Que abraça o meu coração
Conforta minha alma obscura
Tão carente de paixão.

Piso o negro chão
Na minha viagem impura
Que me leva à razão pura
Pela qual amo a solidão.

Nenhum ser poderá me amar
Enquanto nos meus olhos fixar
Uma certa imagem de loucura

Que se reflecte em todos os dias
Em que passo à procura
Dos teus beijos d’águas frias.

Sem comentários:

Enviar um comentário