sábado, 5 de agosto de 2017

Doce

Doce como a candura dos teus lábios
Afago a ternura do meu próprio amor.
Penetro lentamente nesses obscuros recantos
Da minha solene vontade
E deito-me ao som de um dia a nascer.

Sem comentários:

Enviar um comentário