segunda-feira, 24 de julho de 2017

Leões

Persigo os leões da minha juventude
Que tanto me alimentaram de amor
Nessa idade que passou sem uma atitude
Que tivesse algum tipo de valor.

Sinto agora apenas o perfume
De uma certa paixão sem dor
Que meu coração calou no temor
De provocar um eterno ciúme

Àquelas criaturas que me perseguiam
Com o ardor espelhado no olhar
Do fogo que no coração sentiam

Fazendo-as crer que me poderiam amar
Por eternas noites e longos dias
Por sois de Verão e Invernos d’águas frias.


Sem comentários:

Enviar um comentário