quarta-feira, 22 de março de 2017

Choro

Um ser estranho ao mundo.
Estou num autocarro,…
As avenidas de Chelsea permanecem iluminadas pelas riquezas que as rodeiam,
Valores materiais que nada me dizem,
A mim, ser de uma tristeza única,
De um olhar lacrimejante que ninguém compreende.
Harrods,
Espetáculo material que a mim não diz respeito.
Dor, tristeza…
Aniversário deste ser corpóreo no qual habito.
Idiotas que se sentam atrás de mim.
Risos, falatório…
Ridículas mediocridades que ocorrem numa cidade
Onde não existe vida.
Onde não há lugar para a alma,
Para o sentimento puro do Amor supremo!
(do amor que em mim persiste)
Gentinha, apenas gentinha.
Nada há de concreto, de perpétuo
Algo verdadeiramente importante.
Apenas o vazio da existência.

Apenas a minha dor.

Sem comentários:

Enviar um comentário