quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Não é esta a poesia de amor…


Não é esta a poesia de amor que te prometi
Nem sequer um soneto que idealizei enquanto beijava os teus lábios
Não é realmente algo que se possa escrever numa folha de papel
Por mais artes de escrita, de vida ou de poesia que possam existir no imaginário desses homens
Que, tal como eu, escrevem poesia.
Não é nada para além de um desabafo
Um suspiro que persegue continuamente aquele alguém que não sabe suspirar,
Ou imaginar os teus lábios de água fria a roçarem suavemente, levemente, a minha cara
De lágrimas perdidas ou já esquecidas.
Ou sonhar apenas com o teu amor de anjo adormecido no útero da vida,
Como se fosse mesmo possível acreditar em amor,
Ou em poesia.
São palavras inúteis que caem em ridículo na “eterna continuidade” da vida humana e pessoal.

Sem comentários:

Enviar um comentário