sexta-feira, 30 de julho de 2010

Clepsidra

Conta o tempo devagar, a clepsidra,
Os segundos minutos e horas da minha vida
Com a pressão do tempo fica dividida
Entre a doçura da morte e a da vida.

(Contou o meu tempo devagar,
Esse vaso transbordante
De um amor que ficou por amar
E que se perdeu num instante.)

Em mim não tem lugar o tempo.
Não há uma clepsidra que sirva,
Para contar um único momento
Da minha estranha e triste vida.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Adeus

Adeus meu amor,
Adeus,
Que me vou para o mundo da loucura.
Adeus terror,
Adeus,
Que me perco na noite escura.
Adeus paixão,
Minha razão de viver.
Meu coração
Quer apenas tudo esquecer.
Adeus mundo,
Adeus.
Meu sonho profundo
Separou-me de Deus.